PrÁticas Socias E A Construção Das Identidades Em Uma Comunidade Da Fronteira Brasil / Uruguai

Jociele Barcelos Corrêa, Clara Dornelles

Resumo


Introdução: Este trabalho consiste em uma pesquisa de cunho etnográfico e interpretativista que está em andamento em uma comunidade localizada no município de Aceguá (Brasil / Uruguai). Fazendo uso de conceitos ligados à antropologia linguística (DURANTI, 2000), estudos sobre a fronteira (STURZA, 2004, 2005) e sobre educação bilíngue (MAHER, 2007; CÉSAR; CAVALCANTI, 2007), investigamos as práticas sociais nesse contexto para compreendermos como se dá a construção local das identidades linguísticas e culturais. Material e Métodos: Os dados foram gerados no período de maio a agosto de 2009, através de trabalho de campo que envolveu observação, produção de notas e de diário de campo, além da coleta de materiais impressos e audiovisuais de circulação local (jornais, documentários e folders). Desse modo, acessamos as práticas sociais institucionais e cotidianas da comunidade. Resultados e Discussão: Os resultados preliminares indicam que, nas práticas institucionais, os falantes de português, do espanhol e de sua mistura são associados à cultura campeira/gaúcha, tomada como predominante; a diversidade cultural é promovida através de festas que valorizam práticas culturais tradicionais (gastronomia, dança, música) em diferentes etnias e línguas. Nas práticas cotidianas, torna-se visível o encontro entre os falantes oriundos de diferentes etnias e, dessa forma, as identidades linguísticas e culturais se constroem por meio do esforço por realizar ações “em comunidade” multilíngue e transcultural Conclusões: Assim, concluímos que, nesse contexto fronteiriço, as identidades dos indivíduos não se estabelecem de forma homogênea ou fixa, mas vão sendo constituídas no transitar diário entre diferentes práticas sociais. Orgão de Fomento: UNIPAMPA

Palavras-chave


fronteira, identidades, culturas, língua, diversidade

Apontamentos

  • Não há apontamentos.