Isolamento De Crytococcus Neoformans Em Fezes De Pombos Nos Locais Públicos Na Cidade De Chapecó, Santa Catarina.

Roseleine Emilia Guevedo Schneider, Camila Martins Güez, Bárbara Stefanello, Alexandre Meneghello Fuentefria

Resumo


Introdução: Cryptococcus neoformans é uma levedura capsulada causadora de criptococose em humanos e animais, estando associado com várias fontes ambientais, tais como excretas de aves, frutas e detritos de plantas. Sua universalidade está relacionada com a adaptação cosmopolita do seu principal vetor, o pombo (columba lívia). A criptococose é uma infecção fúngica oportunista de desenvolvimento subaguda a crônica, causada por ambas as espécies cryptococcus. Estudos mostram que as excretas de pombos podem ser consideradas importantes substratos para a presença e manutenção da levedura na natureza, gerando assim, um potencial de disseminação da levedura e o surgimento de novos casos pelo país. A finalidade desse trabalho foi determinar a incidência de cryptococcus neoformans em excretas de pombos depositados em locais públicos de chapecó, santa catarina, tornando possível a verificação das áreas com maior risco de propagação da levedura. Material e Métodos: Foram coletadas cento e quarenta amostras de fezes secas de pombos em quatro locais públicos do município, acondicionadas em placas de petri estéreis sob refrigeração durante quarenta e oito horas.As fezes foram suspensas em um mililitro de solução estéril, agitada e deixada em repouso. O sobrenadante foi aspirado e semeado em placa de petri.No exame direto, foi feita uma suspensão da amostra homogeneizada, onde uma gota foi colocada em lâmina, seguida de uma gota de tinta da china. Com a confirmação positiva, aspirou-se cem microlitros do sobrenadante que foi semeado em placa de petri em ágar niger a trinta graus celsius sendo observadas diariamente no período de uma semana. Após a incubação, as placas que apresentaram colônias lisas, úmidas, brilhantes e de coloração creme a marrom (indicativo), foram repicadas por esgotamento em placas com ágar sabouraud, para a posterior prova fisiológica confirmativa da urease. A presença de leveduras globosas, encapsulada, multibrotantes e sem hifas prediz a presença do fungo.A estimativa do número de propágulos em cada amostra, indicativo do risco de propagação, foi realizada através da contagem de unidades formadoras de colônias, com características macromorfológicas do cryptococcus, por grama de fezes, que se desenvolveram a partir de cem microlitros, equivalente a cinqüenta miligramas da amostra. Resultados e Discussão: Das cento e quarenta amostras colhidas, todas foram confirmadas positivamente nas provas de reconhecimento para a levedura c. neoformans, apresentando contagem superioras a dez mil unidades formadoras de colônia por grama. A alta prevalência do agente fúngico encontrado nas amostras traz um agravante por acentuar o risco de disseminação e propagação da levedura na cidade. Conclusões: O isolamento de diversas fontes ambientais urbanas do brasil do c. neoformans, sugere uma alta biodiversidade do mesmo e a possibilidade dos indivíduos em entrar em contato com as inúmeras fontes de inoculação da levedura ao longo da vida. Essa freqüência preocupa toda a sociedade, pois essa levedura quando dispersa no ar e inalada em grandes quantidades poderá causar doenças em indivíduos hígidos e imunodeficientes. A investigação de surtos comunitários de criptococose tem resultado numa melhor compreensão de fonte de transmissão, incentivando estudos que possam identificar o nicho ecológico desta levedura. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


Cryptococcus neoformans, criptococose, pombos

Apontamentos

  • Não há apontamentos.