Perfil AntropomÉtrico Em Escolares

Rodrigo Goulart Soares, Karoline Goulart Lanes, Max Castelhano Soares, Vanderlei Folmer

Resumo


Introdução: Nos últimos anos, a obesidade aumentou em crianças e jovens, sendo esta decorrente de fatores genéticos, ambientais e psicossociais. De fato, esta é uma doença universal de prevalência crescente e que vem adquirindo proporções alarmantemente epidêmicas, sendo um dos principais problemas de saúde pública da sociedade moderna. Assim, este trabalho teve como objetivo principal investigar o percentual de crianças escolares com sobrepeso e obesidade do Ensino Fundamental Público de Uruguaiana-RS e suas implicações sobre saúde, bem-estar e dificuldades de aprendizagem. O mesmo é útil, para orientação e promoção da saúde e qualidade de vida das crianças e adolescentes, agindo principalmente com a prevenção dos principais problemas encontrados nesta pesquisa. Devido à condição de fronteira, esta cidade torna-se estrategicamente importante no processo de integração sul-americana e de combate a doenças, devendo ter o seu desenvolvimento priorizado pelas políticas nacionais. Material e Métodos: Realizou-se um levantamento de dados sobre o índice de massa corpórea em crianças e adolescentes de 6ª, 7ª e 8ª séries, no Instituto Estadual Romaguera Corrêa do município de Uruguaiana/RS. O estudo contou com 333 alunos e foi realizado no início do ano letivo de 2009. Todos os sujeitos foram avaliados individualmente. Com relação às variáveis antropométricas, foram utilizados medidas de estatura e massa corporal. O material utilizado foi uma balança antropométrica com precisão de 100 gramas, um estadiômetro e uma planilha para registro e a medida da estatura foi adicionada à planilha em centímetros (cm) e com duas casas decimais. O avaliado estava com o mínimo de roupas possíveis (calção, short e camisa) e descalços. O cálculo para o índice de massa corpórea seguiu a seguinte fórmula: Índice de Massa Corporal (IMC) = Peso (Kg) / Altura(m) x Altura(m). Já para a Relação Cintura Quadril é: (RCQ) = CC/ CQ (medida da cintura: medida do quadril). Resultados e Discussão: Analisando-se as prevalências nas três séries estudadas, verifica-se que a tendência de sobrepeso e obesidade preocupa, pois na 6°Série houve uma média de 47,57kg com 1,54 de altura, 74,13cm de cintura e 84,95cm de quadril; já na 7°Série a média foi 55,06kg, com altura de 1,59m, cintura de 75,09cm e 89,21cm de quadril. Na 8°Série as médias foram de 59,51kg, com 1,65m e 78,54cm de cintura e 93,04cm de quadril. A partir desses resultados, calculou-se o IMC que variou de 20,04 para 6°Série a 21,94 na 8°Série, obtendo-se um RCQ entre 0,84 para 7° e 8° a 0,87 para 6° Série. Deste modo, verificando-se as razões de prevalência, observou-se um maior incremento para o sobrepeso do que para a obesidade. Conclusões: Assim, é visível que a obesidade ocorre freqüentemente em conseqüência da quantidade do que se come em relação ao que se gasta e parece estar ligada à infância, período crítico para se adquirir uma grande proporção de células adiposas. Os hábitos alimentares nesta fase e na adolescência, com ingestão de altos teores de gordura, a vida sedentária e frações lipídicas se correlacionam e determinam o perfil lipídico dessa população. Desta forma, se proporcionará um espaço de escuta aos estudantes em foco visando deste modo, identificar os fatores determinantes da depressão, exclusão, reprovação e relacionamento promovendo a melhoria dos indicadores de aprendizagem e qualidade de vida dessa população. Orgão de Fomento: Fapergs

Palavras-chave


Sobrepeso, Obesidade

Apontamentos

  • Não há apontamentos.