População Estimada De Microrganismos Aeróbios Mesófilos Presentes Nas Mãos Da Comunidade Acadêmica Do Campus De Uruguaiana/unipampa - Rs Em Tempos De Influenza H1n1.

Danielle Beer Barreiro, Camila Martins Güez, Roseleine Emilia Guevedo Schneider, Jully Cristine Martins Rodrigues Cavalcanti, Maristela Cortez Sawitzki

Resumo


Introdução: A degermação constitui-se de um mecanismo significativo na prevenção e redução de incidência de infecções ou toxinfecções de origem microbiana, pois mãos contaminadas por bactérias e vírus representam umas das principais vias de transmissão e desenvolvimento de doenças. Microrganismos patogênicos podem contaminar o organismo humano através do contato direto das mãos com as cavidades faciais, como a cavidade bucal, narinas e olhos, onde as vias úmidas são veículos para a sobrevivência e multiplicação destes microrganismos. Neste contexto, questiona-se o grau de limpeza e sanitização das mãos da população em tempos de intensa campanha buscando o estímulo da degermação frequente, em razão de pandemia da gripe influenza, a qual provocou muitos casos no rio grande do sul, com óbitos e internações graves. O presente estudo tem por finalidade estimar a população de microrganismos aeróbios mesófilos presentes nas mãos da comunidade acadêmica da unipampa campus uruguaiana, do rio grande do sul. Material e Métodos: Foram coletadas as amostras através do suabe das mãos de setenta indivíduos pertencentes à comunidade acadêmica da universidade federal do pampa, campus de uruguaiana. A contagem dos mesófilos totais foi através da técnica de semeadura em profundidade, com auxílio de micropipetadores e ponteiras estéreis. As análises foram realizadas em duplicata, com uso do plate count agar. Depois de semeadas, permaneceram em estufa bacteriológia num período de quarenta e oito horas numa temperatura de trinta e sete graus celsius. A média da contagem das duas placas, multiplicadas pelo inverso da diluição determinava o número de unidades formadoras de colônia por centímetro quadrado. Resultados e Discussão: A partir das análises constatou-se que onze vírgula quatorze por cento apresentaram mãos contaminadas com a presença de população microbiana igual ou acima de seis ciclos logarítmos por centímetro quadrado. Quinze vírgula setenta e um por cento apresentaram mãos contaminadas com a presença de população microbiana igual ou acima de quatro ciclos logarítmos por centímetro quadrado ou igual a cinco ciclos logarítmos por centímetro quadrado. Quarenta e sete vírgula quatorze por cento apresentaram mãos contaminadas com a presença de população microbiana igual a três ciclos logarítmos por centímetro quadrado. Vinte e dois vírgula oitenta e cinco por cento, apresentaram mãos contaminadas com a presença de população microbiana igual a dois ciclos logarítmos por centímetro quadrado. Dois virgula oitenta e cinco por cento apresentaram mãos contaminadas com a presença de população microbiana igual a um ciclo logarítmo por centímetro quadrado. Conclusões: Segundo outros autores, uma superfície limpa e sanitizada deve apresentar o máximo de duas unidades formadoras de colônias por centímetro quadrado, portanto as mãos da população acadêmica do presente estudo, apresentam-se com elevado grau de contaminação microbiana. Entende-se que existe a necessidade de maior investigação quanto às espécies de microrganismos presentes nas mãos, bem como, campanhas de esclarecimento sobre a importância de hábitos de higiene e sanitização das mesmas, visando o controle e a prevenção das doenças infecto contagiosas. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


Degermação, Aeróbios mesófilos, Microbiota

Apontamentos

  • Não há apontamentos.