Avaliação Preliminar De Metabolitos SecundÁrios De Syzygium Jambolanum Para Fins Terapêuticos.

Luis Armando Candido Tietbohl, Elton Luis Gasparotto Denardin, Jucelino Medeiros Marques Junior, Roseleine Emilia Guevedo Schneider, Cleci Menezes Moreira

Resumo


Introdução: O conhecimento sobre plantas medicinais simboliza muitas vezes o único recurso terapêutico de muitas comunidades. O uso de plantas no tratamento e na cura de enfermidades é tão antigo quanto à espécie humana. Syzygium jambolanum é uma árvore originária da Índia e vulgarmente conhecida no Brasil como Jambolão. Além do potencial antioxidante relatado na literatura, é utilizada na medicina popular para o tratamento do diabetes e doenças causadas por patógenos.O objetivo deste estudo é identificar constituintes químicos do Syzygium jambolanum através do screening fitoquímico e avaliar qualitativamente alguns dos principais metabólitos responsáveis pelas ações da planta. Material e Métodos: Foram obtidas amostras de folhas e cascas do Syzygium jambolanum localizadas no Campus da Unipampa - Uruguaiana-RS. Amostras foram colocadas em estufa a quarenta graus para eliminação da água e após, trituradas em moinho de facas. O screening foi realizado em duplicata de acordo com os procedimentos abaixo relacionados.Alcalóide: infusão com quatro gramas do vegetal, solução de ácido clorídrico e aquecimento até fervura. A mistura fria foi alcalinizada com hidróxido de amônio, filtrada e separada em funil de separação através de extrações com clorofórmio. O extrato orgânico evaporado foi observado na lâmina através de reação com reativo Dragendorff. Antraquinona: dois gramas da amostra foram extraídos com éter etílico, agitada e filtrada. Foi adicionado hidróxido de sódio e avaliada a coloração, sendo positivo para cor róseo-avermelhada.Tanino: quatro gramas da amostra foram extraídas por infusão, filtradas e distribuídas em três tubos. No primeiro, foram colocados dois mililitros do extrato, duas gotas de ácido clorídrico diluído e solução de gelatina gota a gota, observando-se a formação de precipitado. No segundo, foram adicionados dois mililitros do extrato, dez mililitros de água destilada e duas gotas de cloreto férrico. Observa-se a coloração sendo positivo para verde ou azul. O terceiro foi o branco, somente extrato.Saponina: teste qualitativo de espuma: prepara-se a infusão de dois gramas da amostra, seguida de agitação. Teste semi-quantitativo do índice de espuma, o infuso foi preparado com dez gramas e distribuído em dez tubos seguindo um padrão de diluição. Observa-se o tubo mais diluído com espuma persistente.Flavonóide: dez gramas da amostra com noventa mililitros de álcool foram colocadas no agitador. Após filtração, uma alíquota de dois mililitros foi colocada em banho-maria e evaporada. O resíduo foi lavado com clorofórmio, redissolvido em etanol e transferido para outro tubo. Adicionaram-se duzentos miligramas de magnésio em pó e verteu-se ácido clorídrico observando-se a coloração característica. Resultados e Discussão: Resultados obtidos indicam que na folha, a reação foi positiva para taninos, saponinas e flavonóides, e negativa para alcalóides e antraquinonas. Já na casca a reação foi positiva para antraquinonas, taninos, saponinas e flavonóides, e negativa para alcalóides. Guardando conformidade com análises de outros autores. Conclusões: Resultados preliminares da espécie Syzygium jambolanum apresenta diferenças com relação à presença de antraquinonas nas folhas e cascas. Esta avaliação inicial ressalta grupamentos químicos importantes nas ações farmacológicas do Syzygium jambolanum, especialmente alguns compostos fenólicos. Avaliações posteriores serão necessárias a fim de obterem-se dados mais precisos que assegurem uma maior segurança e eficácia dos efeitos terapêuticos da planta. Orgão de Fomento: Unipampa

Palavras-chave


Syzygium jambolanum, Screening fitoquímico, Plantas Medicinais, Avaliação, Jambolão

Apontamentos

  • Não há apontamentos.