Estudo Morfohistológico Do Trato Digestório De Hemidactylus Mabouia No MunicÍpio De Uruguaiana Rs, Brasil

Daniela Almeida Rodrigues, Antônio Carlos Galarça Guimarães, Maria Del Carmen Braccini

Resumo


Introdução: Hemidactylus mabouia, vulgarmente conhecida como lagartixa, espécie exótica de fácil obtenção que pode ser utilizada como modelo para estudo de répteis. Neste trabalho foi descrito morfo-histogicamente o esôfago, estômago e intestinos, para compreensão do regime alimentar e complementar as informações sobre essa espécie. Material e Métodos: Foram utilizados seis exemplares coletados em residências urbanas, após um corte longitudinal ventral da cavidade abdominal, foram retirados segmentos do esôfago, estômago e do intestino. A seguir procedeu-se às técnicas de laboratório, fixação em formol tamponado a 10%, corados com Hematoxilina-Eosina (H-E) e Tricrômico de Goldner. A descrição morfológica foi auxiliada com estereomicroscopio e a histológica com microscópio óptico trinocular para registro fotográfico. Resultados e Discussão: Quanto à morfologia o esôfago possui forma tubular alongada, internamente há presença de dobras longitudinais, paralelas, de bordas irregulares arredondadas. Histologicamente a mucosa é revestida por epitélio pseudoestratificado prismático ciliado com células caliciformes interpostas entre as células germinativas e superficial prismáticas. A lâmina própria é constituída de tecido conjuntivo frouxo, vascularizado e tecido linfóide sendo desprovida de glândulas, seguida pela muscular da mucosa e submucosa de conjuntivo frouxo com fibras colágenas é infiltrada por linfócitos. A túnica muscular é formada por fibras musculares lisas, com uma lâmina circular interna e outra longitudinal externa. A morfologia do estômago possui forma cilíndrica alongada, em forma de “J”, internamente a presença de dobras longitudinais, não uniformes. Na análise histológica observaram-se as camadas típicas de órgão oco. Há diferenças quanto à altura das glândulas e tipos celulares encontrados nas regiões cárdica, corpo, fundo e pilórica, assemelham-se a outras espécies de répteis. O epitélio da mucosa é simples cilíndrico, mucoso com núcleos basais, células principais e escassas parietais, com núcleo destacado e central. Como em outros vertebrados de sangue frio, as glândulas pilóricas produtoras de muco são menores e menos ramificadas do que as glândulas fúndicas. Entre as dobras encontramos depressões, as fossetas gástricas onde desembocam as glândulas da lâmina própria. A seguir temos a muscular da mucosa, é bem distinta, formada por fibras em disposição circular e longitudinal. A submucosa é pouco evidente e a camada muscular e a serosa é semelhante a dos mamíferos. O intestino apresenta uma luz reduzida, preenchida por números dobras primárias e secundárias de forma irregular. Histologicamente a mucosa apresenta um epitélio simples cilíndrico com numerosas células caliciformes. A lâmina própria com tecido conjuntivo frouxo e presença de linfócitos que em alguns locais acumulam-se formando nódulos linfáticos. A muscular da mucosa pouco visível tornando a submucosa indistinta da lâmina própria. A camada muscular típica revestida em algumas regiões por uma serosa e outras por adventícia. Conclusões: Através da análise das regiões do trato digestório, concluímos que esta espécie H. mabouia apresenta o esôfago envolvido na capturado e no transporte de alimento e para o estômago, há ao longo de sua extensão a limpeza de partículas remanescentes, sendo essas afirmações confirmadas pela arquitetura da mucosa. O estômago apresenta características típicas no armazenamento do alimento e na digestão de proteínas da mesma forma a caracterização do intestino se iguala a outros répteis. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


lagarto exótico, répteis, hístologia

Apontamentos

  • Não há apontamentos.