AnÁlise Histológica De TestÍculos De Rattus Norvegicus (berkenhout, 1769) Submetidos A Ingestão De Infuso De Funcho

Camila Etcheverria, Antonio Carlos Guimarães, Sandro Nunes Ferrão, Gilda Morin Altermann

Resumo


Introdução: Há muito tempo a população utiliza o funcho (Foeniculum vulgare Miller) para tratar pequenos problemas de saúde, porém há falta de informações sobre os efeitos que esta planta terá no organismo. Portanto, o objetivo desta pesquisa foi testar os efeitos do infuso de funcho, em diferentes concentrações, sobre os órgãos reprodutores de ratos (Rattus norvegicus, Berkenhout, 1769), sendo escolhido os testículos, órgãos suscetíveis a alterações tóxicas ambientais, que podem levar a um comprometimento da espermatogênese. Material e Métodos: Foram utilizados 10 (dez) machos divididos em três grupos, de acordo com as diferentes concentrações de infuso de funcho. O grupo 1 (G1) foi o controle, que recebeu água potável, o grupo 2 (G2) recebeu o infuso concentrado de funcho (64 gr / 500 mL de água), e o grupo 3 (G3) recebeu uma dosagem coloquial de funcho (16 gr / 500 mL de água). Após, os animais foram sacrificados e os testículos retirados e imersos em líquido de Bouin para fixação. Foram realizados cortes de forma longitudinal e transversal, nos órgãos, que foram incluídos em parafina para confecção de seis lâminas histológicas por bloco. Os cortes foram feitos com 4 micrômetros de espessura, e as lâminas coradas com Hematoxilina – Eosina e com Tricômio de Masson, sendo após analisadas ao microscópio óptico. Resultados e Discussão: Em todos os grupos (G1, G2 e G3) os túbulos seminíferos apresentaram-se com uma quantidade considerável de espermatozóides junto a sua luz, e com todas as células germinativas presentes (espermatogônias, espermatócito I e II e espermátides), bem como as células de Sertoli, estando todas normais e sem alterações citológicas. Estas células também foram evidenciadas por Paschoal et al, 2005, em trabalho semelhante com o antimicrobiano ofloxacina, e por Dimech et al, 2006, que trabalhou com o extrato hidroalcoólico de Mentha crispa, ambos testados sobre testículos de roedores. Estes resultados reforçam Moreira, 1996, e Corrêa et al, 1998, que afirmam que o funcho é atóxico, mesmo ao se ingerir altas dosagens. Conclusões: Portanto, pode se concluir que ele não exerceu efeito tóxico sobre espermatogênese de ratos Wistar. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


Foeniculum vulgare, reprodução, gônadas masculinas, ratos

Apontamentos

  • Não há apontamentos.