Atropelamentos De Aves Em Uma Área De Pampa No MunicÍpio De São Gabriel, Rs, Brasil

Marluci Müller Rebelato

Resumo


Introdução: O impacto causado pelo atropelamento sobre a fauna é uma importante causa de mortalidade para várias espécies silvestres em todo o mundo. Nas últimas décadas vários pesquisadores demonstraram os diferentes tipos de impactos das rodovias sobre as comunidades de vertebrados, desde a fragmentação e perda do seu habitat até morte por atropelamentos. No Brasil, existem poucos estudos relacionados aos impactos de rodovias, ainda mais quando se trata de aves, que é um táxon ainda pouco abordado nestes estudos. O principal objetivo deste estudo é estimar a perda da avifauna por atropelamento em uma rodovia no Pampa Brasileiro e relacionar com a ecologia das espécies. Material e Métodos: No período de maio a setembro de 2009 foi realizado um levantamento das espécies de aves mortas por atropelamento entre os km 424 e 428 da BR-290 (30º19’S, 54º22’O), distante cerca de cinco km do centro urbano do município de São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brasil. A amostragem foi realizada nos dois lados da pista, onde adotou-se como referência a marcação disponível, no caso, o número da marcação do DAER na pista. O trecho de amostragem foi percorrido com o uso de uma bicicleta, a uma velocidade aproximada de 10 km/hora, para facilitar o avistamento dos espécimes na rodovia. As amostragens ocorreram duas vezes por semana, com intervalos de no mínimo dois e no máximo quatro dias, totalizando até o momento 35 amostragens e 350 km percorridos. Para cada espécime atropelado foi registrada a espécie, a data, o local e o tipo de vegetação na margem. Espécimes em melhor estado de conservação foram coletados e tombados na coleção da Universidade Federal do Pampa, Campus São Gabriel. Indivíduos não coletados foram removidos, para não acarretar em duplicação dos dados. Resultados e Discussão: Ao total foram encontradas 170 aves, pertencentes a 17 famílias e 34 espécies, sendo que 62 indivíduos não foram identificados a nível específico. A família mais atropelada foi a Emberizidae (N = 35), seguida pela Columbidae (N = 26), Furnariidae (N = 12), Tinamidae (N = 7), Rallidae (N = 6), Alcedinidae (N = 4), Parulidae (N = 3), Formicariidae (N = 2), Trochilidae (N = 2), Strigidae (N = 1), Troglodytidae (N = 1), Accipitridae (N = 1), Jacanidae (N = 1), Cuculidae (N = 1), Turdidae (N = 1) e Fringillidae (N = 1). As espécies com maior número de atropelamentos foram Sicalis flaveola (N = 19, canário-da-terra), Columbina picui (N = 14, rolinha-picuí) e Zenaida auriculata (N = 9, avoante). A alta taxa de atropelamentos pode ocorrer principalmente por dois motivos: primeiro, as estradas cortam habitats e interferem no deslocamento natural das espécies, e segundo, devido à disponibilidade de recurso ou atrativo presente na rodovia. As espécies de aves mais atropeladas tem hábitos generalistas e ocupam diversos tipos de ambiente. A dieta é granívora e possivelmente aproximam-se da rodovia em busca de recurso alimentar, principalmente grãos caídos de caminhões que transportam a safra. Espécies de hábitos aquáticos, como Aramides cajanea (N = 2, saracura), Gallinula chloropus (N = 4, frango-d’água), Jacana jacana (N = 1, jaçanã) e Chloroceryle americana (N = 4, martim-pescador-pequeno), foram mais encontradas próximas a área de charco cortados pela rodovia. Neste caso os atropelamentos parecem ocorrer durante os deslocamentos dos indivíduos entre as diversas partes do habitat. Conclusões: O monitoramento dos atropelamentos de aves no Pampa poderá contribuir para proposição de medidas mitigadoras destes impactos. Orgão de Fomento: CNPq

Palavras-chave


mortalidade, impacto, pampa, atropelamento

Apontamentos

  • Não há apontamentos.