Identificação Das EspÉcies Arbustivas E Arbóreas Da Mata Ciliar No Rio Uruguai, Dentro Dos Limites Da Estância Coqueiros Em Uruguaiana, Rs. (dados Parciais)

Hemerson Silva Da Rosa, Gustavo Maia Leão, Mariluci Souza Disconzi

Resumo


Introdução: Considerando o papel relevante e o nível de degradação presente nas áreas ciliares, a pesquisa estuda a composição florística do componente arbustivo-arbóreo da vegetação ciliar de um trecho da margem brasileira do rio Uruguai, localizada dentro dos limites da Estância Coqueiros no município de Uruguaiana, RS, sob as coordenadas geográficas de latitude S 29°57’02.42 e longitude O 57º19’00.31 Material e Métodos: Para realização do levantamento foram alocadas 5 parcelas de 50m x 50m ao longo de um fragmento de mata ciliar do rio, sendo amostrado como árvore todo indivíduo com PAP (perímetro a altura do peito) maior ou igual a 15 cm e altura superior a 3m. Resultados e Discussão: Até o momento foram identificadas 18 espécies (Allophylus edulis, Celtis brasiliensis, Celtis spinosa, Chrysophyllum marginatum, Cupania vernalis, Eritrina crista-galli, Eugenia myrciantes, Eugenia ramboi, Eugenia uniflora, Ingá vera, Maytenus ilicifolia, Melia azedarach, Myrsine lorentziana, Nectandra megapotamica, Randia ferix, Sebastiana commersoniana, Pouteria gardneriana, Pouteria salicifolia) distribuídas em 11 famílias. Sendo as famílias Sapotaceae e Myrtaceae as mais representativas com 3 indivíduos cada, e as famílias Cannabaceae, Fabaceae e Sapindaceae com 2 espécies cada e o restante com 1 individuo apenas. Das espécies identificadas 16 possuem porte arbóreo e duas de porte arbustivo. Também foi identificada uma única espécie exótica nas coletas. Conclusões: De modo geral, considera-se que a quantidade de espécies encontrada, até o presente momento, deve ser resposta a um conjunto de fatores explicado pelas peculiaridades das áreas ciliares como tipo e fertilidade do solo, topografia, flutuações do lençol freático e regime de cheias dos corpos d’água. Nesse sentido, a riqueza de espécies relativamente elevada é característica comum em florestas ciliares devido à heterogeneidade ambiental comumente superior à de florestas de terra firme próximas. Considerando ainda que este fato é condicionado pela natureza ecotonal da faixa ciliar, que é ocupada por mais de um tipo vegetacional ou mesmo por formações fitofisionômicas distintas, que diferem entre si em termos de composição florística. Alem do que, estas informações são relevantes para projetos de recomposição de áreas ciliares, pois diferenças regionais devem ser consideradas. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


vegetação ciliar

Apontamentos

  • Não há apontamentos.