Desenvolvimento Vegetativo, Fenologia E Soma TÉrmica De Cultivares De Citros Em Uruguaiana - Rs

Dienice Ana Bini, Gabriel Franke Brixner, Danielle Bellagamba De Oliveira, Uirá Do Amaral, Carlos Roberto Martins

Resumo


Introdução: As condições climáticas do município de Uruguaiana apontam a aptidão para o cultivo de planta citricas. Os verões quentes, com alta temperatura, radiação solar e fotoperíodo são propícios para a obtenção de frutos com bom teor de açúcares e de coloração intensa. Destaca-se o cultivo citros de mesa sem sementes como uma alternativa viável, devido à demanda nacional por esse tipo de fruto e a possibilidade de exportação. O atual trabalho objetivou avaliar o desenvolvimento vegetativo, a fenologia a soma térmica, a duração do ciclo em dias e a ocorrência de distúrbios bióticos e abióticos de citros nas condições edafoclimáticas de Uruguaiana – RS. Material e Métodos: O trabalho foi realizado de 2006 a 2009 no pomar didático experimental da PUCRS. As cultivares avaliadas são Marisol, Clemenules, Murcot, Nova, Satsuma Okitsu e Ortanique (tangerineiras) Lane Late, Valência delta, Navelina e Salustiana (laranjeiras). O desenvolvimento vegetativo foi quantificado pela altura das plantas, diâmetro do caule do porta-enxerto e enxerto, volume da copa e vigor das plantas. No desenvolvimento fenológico, anotou-se a data de das fenofases: antese, fixação dos frutos e colheita. Após calculou-se soma térmica acumulada em cada fase: soma térmica = temperatura média do dia – temperatura base (13ºC). As pragas e doenças foram avaliadas com observações visuais e diagnose em laboratório. Distúrbios abióticos também foram avaliados por observações visuais. Resultados e Discussão: As cultivares com maior incremento em altura foram as laranjeira Salustiana e Navelina e Lane late, essas mesmas cultivares apresentaram maior crescimento do diâmetro do caule do porta-enxerto e diâmetro do enxerto. Consequêntemente, as mesmas cultivares apresentaram os maiores volume da copa. Quanto ao vigor das plantas houve grande variação entre as cultivares. A Clemenules apresentou plantas com baixo, médio e alto vigor. As cultivares Marisol, Satsuma ‘Okitsu’ e Ortanique apresentaram plantas com vigor de baixo a médio. Salustiana, Murcot, Navelina, Valência Delta, Lane late e Nova vigor de médio a alto. A antese ocorreu entre os dias 01/09 e 15/09, sendo a colheita realizada entre 18/04 e 02/07. A soma térmica acumulada pelas cultivares variou de 2433,4GD a 2507,1. O ciclo em dias variou de 260 a 297 dias. Quanto as pragas observou-se: observou-se a incidência de: larva-minadora (Phyllocnistis citrella), formiga cortadeira (Acromyrmex sp.), pulgão (Aphis sp.), cochonilha australiana (Icerya purchasi) e cochonilha (Parlatoria sp.). Referente as doenças observou-se a ocorrência de gomose (Phytophthora sp). Quanto aos distúrbios abióticos observou-se queda e lesão de frutos, devido chuvas de granizo na safra 2007/ 08 e anomalias nas flores causada por frio durante a floração. Conclusões: Pode-se concluir que a adaptação agronômica da cultivares tem satisfatoriamente e que a soma térmica do município é suficiente para o desenvolvimento reprodutivo das cultivares. Orgão de Fomento: BPA

Palavras-chave


Desenvolvimento inicial, Graus dias, Pragas e doenças

Apontamentos

  • Não há apontamentos.