Micobiota Infectante De Tibraca Limbativentris (hem; Pentatomidae) Em Diferentes SÍtios De Hibernação Na Cultura Do Arroz Irrigado No MunicÍpio De Itaqui

Andreza Bertoldo, Juliano De Bastos Pazini, Odair J. Kuhn, Leilane Silveira D'ávila, Cleiton José Ramão

Resumo


Introdução: O percevejo-do-colmo (Tibraca limbativentris) é uma das principais pragas do arroz irrigado no Rio Grande do Sul, devido ao aumento da população e pelos danos causados. A região da Fronteira Oeste tem apresentado um aumento significativo na população deste inseto-praga. O controle químico é o método exclusivamente utilizado para seu controle ao custo desequilíbrio ambiental. Por outro lado, o controle biológico é uma estratégia que vem sendo estudada e apresenta potencial para um controle efetivo sem prejudicar o equilíbrio ambiental. Entre os fungos mais utilizados é válido elencar Metharizium anisopliae e Beauveria bassiana. Material e Métodos: Para iniciar uma busca por microrganismos um ensaio foi conduzido na fazenda Pitangueira localizada no município de Itaqui/RS. Coletou-se amostras limbativentris a partir dos sítios de hibernação na entressafra do arroz irrigado. Os sítios de hibernação avaliados neste trabalho foram o capim-anoni (Eragostis plana), junquinho (Cyperus sp), azevém (Lolium multiflorum), grama-seda (Cynodum dactylum), grama-forquilha (Paspalum distachyon) e o arroz-vermelho (Oryza sativa L.). Os percevejos foram transferidos para o laboratório de biologia da Unipampa Campus de Itaqui para serem efetuadas as contagens do número destes com infecção por fungos entomopatogênicos. Para tanto, os insetos foram mergulhados em solução de hipoclorito de sódio (2%), para eliminar a microbiota saprófita, sendo posteriormente acondicionados em caixas tipo gerbox contendo papel de filtro umedecido com água destilada para formar câmara úmida facilitando crescimento fungos entomopatogênicos. Após 15 dias iniciou-se a contagem do número de percevejos infectados por fungos, repetindo-se aos 21 e 28 dias. Os dados foram tabulados e efetuadas as porcentagens de infecção em cada sítio de hibernação da praga. Resultados e Discussão: Constatou-se que 91,7% dos percevejos encontrados em capim-anoni estavam infectados com algum tipo de fungo, 66,7% encontrados em grama-seda, 62,5% em azevém, 50,0% em arroz vermelho, 50,0% em grama forquilha e 52,9% em junquinho. Todos os ambientes analisados apresentam no mínimo 50% dos insetos infectados com algum tipo do fungo, uma vez que, durante a entressafra do arroz que coincide com o inverno onde grande parte destes insetos morre devido às condições climáticas desfavoráveis, sendo assim, os sítios de hibernação se configuram como locais de abrigo para o inseto, mas ao mesmo tempo são ambientes favoráveis a proliferação de fungos entomopatogênicos, pelo microclima formado sob a palhada, com umidade relativa alta e temperatura amena (18-28 Graus Célcius). Dessa forma, estes ambientes servem como fonte para a busca de inimigos naturais de T. limbativentris. Conclusões: As informações obtidas com o presente trabalho permitiram-nos concluir que os fungos encontrados possivelmente sejam entomopatogênicos, porém, se faz necessário identificação e uma maior investigação a fim de verificar sua patogenicidade limbativentris. Orgão de Fomento: Unipampa

Palavras-chave


Micobiota, Infectante, Tibraca limbativentris, Sítios de Hibernação

Apontamentos

  • Não há apontamentos.