Interferência No Desenvolvimento Inicial Da Cultura Do Girassol (helianthus Annuus L) De Diferentes Inseticidas No Tratamento De Sementes

Douglas Geremia, Cleiton José Ramão, Robson Antonio Botta, Andreza Bertoldo, Fernando Felisberto Da Silva

Resumo


Introdução: A cultura do girassol (tem ganhado espaço nas lavouras de primavera-verão na fronteira oeste do Rio Grande do Sul, especialmente por apresentar-se como boa alternativa de rotação de cultura no sistema de plantio direto. Frequentemente os produtores enfrentam perdas significativas na produção, causado por ataque de insetos-pragas na fase inicial da cultura. Com isso, o uso de inseticidas para tratamento de sementes é comum, mesmo não havendo produtos com essa finalidade recomendados para essa cultura. O objetivo desse trabalho foi avaliar a interferência de diferentes inseticidas em tratamento de sementes no desenvolvimento inicial da cultura do girassol. Material e Métodos: O experimento foi conduzido na localidade de Encruzilhada, distrito do município de Maçambará, RS, sob sistema de plantio direto obedecendo às recomendações técnicas da cultura para a região. As unidades experimentais foram implantadas com delineamento experimental inteiramente casualisado em esquema bifatorial (4x2) com 4 tratamentos, 2 concentrações e 3 repetições. Cada parcela teve 12 metros quadrados (3m x 4m). Os tratamentos variaram conforme o inseticida utilizado para o tratamento de sementes, como segue: T1 testemunha (sem tratamento de sementes), T2 Imidacloprido (Gaucho), T3 Imidacloprido+Tiodicarbe (Cropstar) e T4 Fipronil (Standak). Para cada tratamento utilizou-se duas doses: a menor (1) e a maior dose (2) recomendado pelo fabricante para a cultura do milho (Zea mayz), prática que é comumente utilizado pelos produtores da região. As sementes foram tratadas manualmente 24 horas antes do plantio com os produtos diluídos em água. Realizou-se o plantio manualmente em linhas com espaçamento de 45 cm à população de 66000 sementes por hectare da cultivar Aguará 3. As variáveis avaliados foram plantas emergidas, altura de plantas e massa seca aos 21 dias de emergência. Para avaliar a altura de plantas mediu-se com auxílio de escalímetro a altura do solo até o ponto mais alto da planta. Para obtenção da matéria seca coletou-se 10 plantas por unidade experimental de forma aleatória e a emergência fez-se através de contagem direta. Para a coleta dos dados desconsiderou-se 0,5 metros em torno das parcelas de bordadura. Os valores averiguados forma submetidos ao teste de Tukey ao nível de 5 % de probabilidade com auxílio do software WinStat. Resultados e Discussão: Conforme as médias comparadas, para a variável emergência não houve diferença significativa entre os tratamentos. Para as variáveis altura de plantas e massa seca houve diferença significativa entre os tratamentos, sendo que o tratamento 2 obteve as maiores médias e o tratamento 1 as menores médias em ambas as variáveis. Isso ocorre, provavelmente, pelo efeito fitotônico citado pelos fabricantes e pelo controle de insetos-pragas que podem ocorrer na fase inicial da cultura. Conclusões: Observamos que a utilização de inseticidas para tratamento de sementes na cultura do girassol pode ocasionar melhor desenvolvimento inicial da cultura, tendo destaque entre os princípios ativos comparados nesse trabalho, a mistura comercial Imidacloprido+Tiodicarbe. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


controle de pragas, cultura do girassol, tratamento de sementes

Apontamentos

  • Não há apontamentos.