EstÁgios: Essência Da Licenciatura

Simone Portella Teixeira De Mello

Resumo


Introdução: O Estágio é etapa essencial de qualquer licenciatura. Como docente que atua em estágios na Licenciatura em Matemática, percebo o estágio como espaço de experiência na concepção de Larrosa (2002). Às vezes ele encanta e às vezes assusta. Essencialmente, o estágio oportuniza a refletir e a refazer caminhos. A parceria com a Rede Pública de Educação em Bagé tem proporcionado espaços de estágio aos nossos alunos e a acolhida das escolas tem sido significativa na formação desses, desde as observações do contexto escolar às práticas de ensino de matemática com alunos da rede. Sendo assim, este estudo é um recorte de pesquisa com alunosestagiários, explorando quesitos como pesquisa de campo e prática docente no contexto escolar. Material e Métodos: A metodologia compreende estratégias de trabalho docente conforme Anastasiou e Alves (2003), o uso do filme de François Begaudeau "Entre os muros da escola", para elucidar a dimensão humana do professor e do educador democrático que estimula seus alunos a expressar seus conflitos e aspirações. A captação de informações privilegiou o uso de textos de jornais (ZH, 2009) e orientações para pesquisa de observação à luz de Vianna (2007). As contribuições de Novoa (2007) permearam o debate sobre o processo identitário docente, revelando que a maneira como o professor ensina está diretamente dependente daquilo que ele é como pessoa quando exerce o ensino. Os seminários com os alunos oportunizaram a elaboração de um guia para os alunos privilegiando 4 categorias de observação: escola, professor, aluno e sala de aula, numa perspectiva que se aproxima de Freire (1997). Resultados e Discussão: Os resultados indicam potencialidades e limitações no decorrer dos estágios. O ensino associado à pesquisa, os saberes decorrentes de debates e leituras e a responsabilidade aparecem como pontos fortes. Mas, a autonomia aparece como limitação, talvez justificada pela trajetória escolar dos investigados, de um modelo de educação tecnicista. Situações de crítica ao professor observado surgiram, porém pouco se propõe de alternativas ao ideal desejado. Professores observados também se tornaram referência para alunos-estagiários, a exemplo de um de EJA, que tem o bom-humor e paciência como traços importantes em sua ação docente. Percebi sentimentos ambíguos que oscilam entre a sedução e o desencanto com a docência. O final do projeto se materializa pela mostra de estágios por meio de pôsteres, socializada com a rede pública, espaço de troca, que nos convida a pensar para seu desafio maior: o de ser professor. Conclusões: Diante dos noticiários freqüentes não podemos ficar imunes das sombrias experiências que passam pela sala de aula, assim como não podemos deixar de estimular coragem e afetividade nas ações docentes futuras. Há outros tantos dilemas a enfrentar além do de tornar a matemática conteúdo instigante e de interesse dos alunos. O conhecimento hoje parece que subjaz o comportamento. A questão está em encantar o aluno com aquilo que ao longo dos anos desencantou muitos que ficaram à margem do ensino de matemática. Nossa juventude mutante indica um perfil de professor que fale a sua língua, que rompa com o ensino conteúdista e o tradicional quadro, giz e lista de exercícios. Diante do atordoamento do espaço inflamável que hoje é a escola, percebo que o nosso compromisso é estimular, orientar, dar condições para o estágio faça sentido. Isso só traz significado se a experiência for vivida e socializada, como bem salienta Bello(2008). Orgão de Fomento: UNIPAMPA

Palavras-chave


Estágio de Observação, Licenciatura em Matemática, Formação Docente, Estágio na Licenciatura

Apontamentos

  • Não há apontamentos.