AnÁlise CariotÍpica Em Cavalos Da Raça Marajoara

Verônica Damian Rosa, Rejane Reimche Boschmann, Cíntia Righetti Marcondes, José Ribamar Marques, Ricardo José Gunski

Resumo


Introdução: A raça Marajoara é uma das diversas raças domésticas provenientes da espécie Equus caballus, a mesma existente somente na Ilha de Marajó, Estado do Pará. Esta raça faz parte do Programa Brasileiro de Conservação dos Recursos Genéticos Animais do CENARGEM da EMBRAPA, que já tem desenvolvido trabalhos em diversos grupos como Asininos, Bovinos, Bubalinos, Caprinos, Suínos, e Equinos. Este trabalho teve como objetivo caracterizar citogeneticamente a raça Marajoara a través de técnicas de coloração convencional por Giemsa e diferenciais por bandeamentos C e Nor. Material e Métodos: Foram amostrados 8 exemplares da raça Marajoara, 6 machos e 2 fêmeas. 10ml de sangue foram extraídos para obtenção de preparações metafásicas através do cultivo de linfócitos do sangue periférico como segue: -Em 10 ml de meio de cultura adiciona-se aproximadamente 20 gotas de sangue total; -Após as culturas são incubadas a 37ºC em estufa por um período de 72 hs; -Uma hora antes da colheita das amostras são adicionadas 2 gotas de colchicina 0,05%; -20 minutos antes do término a cultura é tratada com solução Hipotônica de KCL 0,075M; -Posteriormente as células são fixadas com Metanol-Ácido Acético 3:1; -Para a análise foram contadas 30 metáfases por exemplar, fotografadas e montado o cariótipo. Banda C -Laminas analisadas foram submetidas à solução HCL 0,2N por 6’; -Tratadas com Bário á 60ºC por 6’; -Posteriormente lavada em HCL 0,01 N por; -E incubadas em 2xSSC á 60ºC por 45’. Banda Nor-Em uma lâmina previamente gotejada adicionar 1 ou 2 gotas de gelatina a 2%; --(Ph 4 - 4.5) e posteriormente 2 a 4 gotas de solução de Nitrato de Prata (50%);-Mesclar suavemente ambas as soluções e colocar sobre esta uma lamínula;-Colocar em estufa a 60ºC até que adquira cor marrom;-Enxaguar com água corrente a fim de separar e eliminar o excesso da mescla gelatina–nitrato de prata. Resultados e Discussão: Para todos os animais avaliados o cariótipo observado está de acordo com o descrito na literatura, observando-se um número diplóide 2n=64 cromossomos, organizados em seis grupos de acordo com a localização do centrômero: o grupo I inclui do primeiro ao quinto par, todos submetacêntricos; o grupo II inclui do sexto ao décimo par, sendo esses metacêntricos; o grupo III do 11° ao 13° par, metacêntricos pequenos; os três seguintes grupos são formados apenas por cromossomos acrocêntricos, e incluem, respectivamente, do 14° ao 19°; 20° ao 25° e, do 26° ao 31° par. O cromossomo X apresenta morfologia submetacêntrica de tamanho médio, sendo ele o segundo maior no complemento e, o cromossomo Y é classificado como o menor acrocêntrico. A heterocromatina constitutiva observou-se na região centromêrica dos elementos do complemento cromossômico, destacando-se a banda intersticial no braço longo do cromossomo X. As regiões organizadores do nucléolo encontram-se no telômero do braço p docromossomo 1 e nas constrições secundárias dos cromossomos acrocêntricos 25 e 30. Conclusões: Não foram encontrados animais com alterações cromossômicas morfológicas ou numéricas, porem avaliações com a técnica de Bandeamento G serão realizadas para complementar este estudo. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


Cavalo, Marajoara, Citogenética, Banda C, Banda Nor

Apontamentos

  • Não há apontamentos.