Desenvolvimento De Um Sistema De Monitoramento Ambiental Simplificado AtravÉs De TÉcnicas FÍsico-quÍmicas E De Sensoriamento Remoto

Cassiane Jrayj De Melo, Paulo César Pazdiora, Nelson Mario Victoria Bariani

Resumo


Introdução: Este trabalho recolhe, analisa e organiza informações sobre ecossistemas que integram as microbacias próximas à cidade de Itaqui, na região da Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, dentro da bacia do Rio Ibicuí, subsistema da Bacia do Rio Uruguai, integrante da grande Bacia do Prata. Centrado no monitoramento da qualidade da água por técnicas físico-químicas de eletrodo, unida à caracterização do espaço geográfico através de imagens de satélite, visa analisar aspectos correlacionados, como o estado da vegetação, o uso do solo, o ciclo de vazões dos cursos de água, a situação do saneamento básico, os despejos industriais e o histórico sócio-econômico dos pontos considerados como mais frágeis do ecossistema. Material e Métodos: Inicialmente foram realizadas medições contínuas de condutividade e coletadas amostras em pontos ao longo do rio Uruguai e tributários. Os percursos foram planejados usando informações do Google Earth. Através do relevamento inicial de análises físico-químicas foram determinados alguns pontos estratégicos, geralmente lugares onde são despejados efluentes domésticos ou resíduos sólidos da cidade, ou resíduos agrícolas através do sistema de irrigação das lavouras de arroz, ou efluentes agroindustriais ou áreas de lazer utilizadas por banhistas, ou de captação de água, ou áreas de preservação. Os lugares foram devidamente georeferenciados mediante aparelho de GPS. A partir desse momento, iniciou-se um monitoramento periódico da condutividade, pH, oxigênio dissolvido, potencial redox, iniciando também a implementação de outras análises como a demanda química de oxigênio (DQO). As metodologias usadas estão baseadas nas recomendações do “Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater”. As informações físico-químicas foram incluídas como “planos de informação”, nos modelos cadastral e temático, num banco de dados do programa SPRING (disponível em www.dpi.inpe.br), iniciando a construção de um Sistema de Informação Geográfica, SIG da região. Foram também recortadas, registradas e incluídas no SIG imagens dos satélites Landsat, CBERS e imagens do Google-Earth. Resultados e Discussão: Através das análises, foi possível identificar vários pontos críticos ao longo dos rios das microbacias estudadas. Observa-se que a qualidade da água varia sazonalmente, alternando entre períodos onde consegue, de maneira geral, propiciar um ambiente adequado para a fauna e flora local e também para os banhistas, e outros, principalmente em períodos de estiagem, onde geram-se situações da alta concentração de poluentes nos afluentes do Uruguai. Quanto aos dados obtidos através de imagens de satélite, observa-se que a cidade possui uma rede de esgoto mista e semi-aberta, onde boa parte da rede oculta acaba vertendo em canais abertos, sendo suas águas depositadas diretamente nos rios, sem nenhum tratamento específico. Foi perceptível, porém, algum grau de depuração natural da água, que acontece no percurso pela rede da cidade e pelos canais abertos, além de diluição quando deságuam no rio Uruguai. Conclusões: Através da rede de monitoramento de água e SIG criados, pode ser avaliada a situação ambiental da microbacia, acompanhando indiretamente os processos de contaminação existente, observando a dinâmica dos mesmos, e identificando os momentos críticos dentro do ciclo. As informações já coletadas e outras que virão com a continuidade do trabalho, podem auxiliar na caraterização do estado ambiental, na modelagem hidrológica, e na tomada de decisões a nível municipal. Orgão de Fomento: Unipampa

Palavras-chave


microbacias, Rio Uruguai, monitoramento ambiental, Itaqui Rs, análise da água

Apontamentos

  • Não há apontamentos.