Incidência Da Realização E NÍvel De Conhecimento Do Exame Ginecológico Preventivo De Jovens Em Idade Escolar

Jacqueline Lopes Avila Alves, Marcelli Evans Telles Dos Santos, Gilnara Da Costa Corrêa Oliveira

Resumo


Introdução: A sexualidade interfere na questão da identidade, principalmente do adolescente, e assim interfere no processo de aprendizagem. O jovem que tem conhecimento de si, de sua sexualidade, passa a ter um maior desenvolvimento escolar, à medida que a relação entre conhecimento, sexualidade e a curiosidade acontecem, a aprendizagem é otimizada no espaço escolar.O câncer do colo uterino é um problema de saúde pública atingindo todas as camadas sociais. No Brasil, o câncer de colo uterino representa a segunda maior causa de morte por câncer entre as mulheres. O exame ginecológico preventivo é um dos mais importantes para a saúde da mulher. É uma tecnologia simples, eficaz e de baixo custo para a prevenção do câncer de colo do útero e de suas lesões precursoras. Os objetivos deste estudo são: verificar o índice de realização do exame ginecológico preventivo, identificar o nível de conhecimento das estudantes em relação ao preventivo, saber as causas que levaram as jovens a nunca ter realizado esse procedimento e realizar palestras educativas e informativas sobre o exame. Material e Métodos: A pesquisa foi realizada com jovens do sexo feminino do 3º ano do Ensino Médio da Escola Romaguera Corrêa do município de Uruguaiana.Primeiramente fez-se esclarecimento da pesquisa para as estudantes, autorizando suas participações através da assinatura de um termo de consentimento livre e esclarecido.A segunda etapa foi a aplicação de um questionário simples com questões referentes à idade, relações sexuais, ginecologista e exame ginecológico preventivo.A terceira, realização de uma palestra expositiva através de slides e distribuição de material informativo. Resultados e Discussão: Participaram da pesquisa 29 meninas, sendo estas voluntárias e presentes no dia da aplicação do questionário, bem como no esclarecimento sobre a pesquisa.As idades variaram entre 16 e 19 anos. Das 29 participantes 15 já tiveram relações sexuais, 27 sabem qual o papel do ginecologista, 14 já realizaram consulta ginecológica, 24 sabem o que é o exame ginecológico, 12 sabem para que serve o exame, 14 ouviram falar através da mãe, somente 6 já realizaram o exame, 4 realizam periodicamente, 16 têm conhecimento que a realização do exame preventivo em meninas que ainda não tiveram relações sexuais é possível. O motivo para ainda não ter realizado o exame a resposta da maioria foi a opção “outros”.Para a etapa da palestra informativa foi aberto para os demais alunos da mesma série incluindo os do sexo masculino. A palestra de forma simples explicou o que é este exame, para que serve, como é feito, quem realiza, quem pode e deve fazer o exame, como prevenir o câncer do colo do útero, dicas de dias e horários para realização do exame no posto central da cidade, além da distribuição de um folheto informativo. Conclusões: Informações sobre crescimento e desenvolvimento biopsicossocial e sexual, não têm alcançado de forma ampla e adequada a maior parte dos adolescentes. O adolescente não recebe na família informações que envolvam a saúde e, quando tem acesso, essas informações são muitas vezes limitadas e inadequadas, provenientes de amigos, de pessoas pouco preparadas para essa função.Este trabalho levou informações e esclarecimentos para os estudantes. Mostrou-se o quanto é importante a realização do exame para a prevenção do câncer cérvico-uterino, pois este exame é um dos mais importantes para a saúde da mulher. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


Exame Ginecológico Preventivo, Escolar

Apontamentos

  • Não há apontamentos.