Expectativas E Desafios Para O Acadêmico No Cuidado De Enfermagem Com Paciente Do Pronto-socorro

Fabiani Weiss Pereira, Karina Silveira De Almeida Hammerschmidt, Valdecir Zavarese Da Costa

Resumo


Introdução: Na busca pela estabilização das condições vitais do paciente, o atendimento do profissional enfermeiro do pronto-socorro se dá por meio do suporte à vida, exigindo agilidade e objetividade no fazer. Neste sentido, o processo de trabalho deste profissional molda-se na luta contra o tempo e habilidade técnica para alcance do equilíbrio vital tido como objeto de trabalho. Frente à diversidade e a necessidade de urgência na prestação do cuidado nos atendimentos prestados pelos enfermeiros do pronto-socorro, emerge a tensão como característica decisiva. O acadêmico, ao desenvolver suas atividades práticas nesse ambiente, também vivencia a pressão ocasionada pela necessidade de rapidez e precisão nas intervenções prestadas, isto reforça-se pela vulnerabilidade de vida e morte continuamente presente no ambiente.No que tange a formação, o desenvolvimento de atividades práticas no contexto da unidade de emergência, torna-se desafio para os acadêmicos de enfermagem, que na construção de seu fazer devem considerar as dimensões éticas, subjetivas, técnicas e institucionais do cuidado, ponderando o envolvimento dos valores, sentimentos e limites do ser cuidado e do ser cuidador. Teve-se o objetivo de relatar a experiência acadêmica da vivência em atividade prática, integrante da disciplina de enfermagem no cuidado ao adulto em situação crítica de vida, do sexto período do curso de enfermagem, da Universidade Federal do Pampa, realizada no pronto-socorro de um hospital público da cidade de Uruguaiana no Rio Grande do Sul. Material e Métodos: Trata-se de relato reflexivo referente à vivência prática da disciplina de enfermagem no cuidado ao adulto em situações críticas de vida, a qual compreendeu a realização de atividades na unidade de emergência desenvolvidas no primeiro semestre do ano de 2009, no turno da tarde, com total de cinco dias. A prática integrou o desenvolvimento de ações de competência do enfermeiro e a realização de um portifólio para conclusão, o qual se fundamentou em referenciais teóricos. Resultados e Discussão: Verificou-se, segundo a Anvisa (2002) que o setor de emergência encontra-se de acordo com as normas, porém existem melhorias que podem ser evidenciadas e estimuladas. Como experiência prática, para acadêmica, permitiu desenvolvimento teórico-prático, por meio da vivência, esclarecimentos de dúvidas e questionamentos que surgiram diante da realização dos cuidados de enfermagem no campo, bem como dos subsídios teóricos utilizados pelo professor supervisor da prática, a saber utilização de avaliação individual, com auto avaliação do acadêmico; portifólio com fundamentação teórico-prática e sugestões de melhorias para as situações problema encontradas. Pode-se relacionar a teoria com a prática, sabendo especificar as fortalezas e fragilidades do serviço em sua organização, estrutura e capacitação. A busca de soluções para os problemas encontrados possibilitou a acadêmica vivenciar a tomada de decisão necessária para sua futura atuação profissional. Conclusões: A experiência possibilitou a compreensão do processo e organização do trabalho de enfermagem no pronto-socorro, evidenciando o desenvolvimento de competências profissionais, necessidade de atuação do enfermeiro em um campo de tensão, onde a rapidez e a habilidade são essenciais. A vivência foi desafiadora na constituição da acadêmica, como futura enfermeira devido, principalmente, à diversidade de cuidados imediatos a ser realizado, bem como a atuação diante do inesperado tendo em vista à manutenção da vida. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


pronto-socorro, profissional enfermeiro, atividades práticas, unidade de emergência, paciente

Apontamentos

  • Não há apontamentos.