Trabalhando Com Adolescentes, Construindo Vivencias E Discutindo PrÁticas: Um Relato De Experiência

Eliza Minuzzi Ereno, Vilma Constancia Fioravante Dos Santos, Maiana Pinheiro Dos Santos, Michele Bulhosa De Souza

Resumo


Introdução: O presente estudo trata-se de um relato de experiência que objetiva compartilhar com a comunidade acadêmica percepções apreendidas por acadêmicos do curso de Enfermagem durante uma oficina aplicada a pedido da disciplina de Saúde da Criança aos adolescentes de uma escola de ensino fundamental do município de Uruguaiana. Material e Métodos: Após diversas reflexões sobre a abordagem da temática do uso das drogas licitas e ilícitas. Levantaram-se os seguintes questionamentos: Quais conhecimentos sobre as drogas tem estes adolescentes? Qual a forma mais eficaz de prevenir o uso de drogas nesta população? Como realizaremos a abordagem do tema? O grupo optou por trabalhar perspectivas e sonhos de vida dos adolescentes. Para isso, empregaram-se recursos didáticos como vídeos, confecção de painéis e rodas de conversa. Foram abordados os temas: Futuro versus Drogas, tendo como metas problematizar alguns aspectos que envolvem a realidade das drogas na comunidade na qual eles residem e potencializar a realização de seus sonhos. O público-alvo foram jovens matriculados na referida escola, de ambos os sexos sendo que, compareceram para oficina de forma espontânea 17 adolescentes entre 13 e 17 anos. A partir da observação participante construiu-se um portifólio, que ofereceu subsídios para a reflexão proposta. Resultados e Discussão: Após a realização desta oficina perceberam-se aspectos positivos e negativos. Como aspectos positivos destacam-se o primeiro contato dos acadêmicos com os adolescentes e suas peculiaridades, o planejamento das ações de educação em saúde como uma das atividades relevantes para o trabalho enfermeiro e o desenvolvimento da problematização da realidade da comunidade pelos acadêmicos com vistas a fundamentar a prática destes como futuros profissionais, além da abertura de um espaço de fala e escuta para os adolescentes sobre um tema do seu cotidiano como meio de incentivar suas expectativas de vida. Também, foram elencados alguns aspectos que podem ser aprimorados. Dentre eles a necessidade de haver a continuidade do trabalho para a formação do vínculo com os adolescentes; para que os objetivos fossem plenamente alcançados. Bem como, levanta-se a hipótese de que alguns recursos tenham provocado sentimentos de retraimento nos adolescentes pela propagação de um discurso pré-concebido anti-drogas, coibindo suas falas. Além disso, a dificuldade de interação em alguns momentos pode ser atribuída ao desconforto em verbalizar problemas tão próximos de sua realidade, tais como a existência de usuários naquele grupo, familiares que comercializam drogas e violência infrafamiliar. Levando a reflexão sobre outras formas de abordagem para privilegiar o diálogo dos adolescentes de forma livre. Conclusões: Com término do trabalho com os jovens, foi notada a necessidade de mais contatos interativos para que o assunto seja melhor abordado e de forma a não transparecer idéias pré-concebidas. Percebeu-se também, a importância do vínculo com a comunidade e a necessidade do reconhecimento da realidade vivenciada pelos adolescentes para propor atividades voltadas as suas necessidades. Ainda, a atividade trouxe para os discentes uma experiência de como trabalhar com grupos de adolescentes na prevenção ao uso de drogas, valorizando a criação de vínculos com adolescentes, bem como o fortalecimento de seus sonhos, como um meio de promover sua saúde de forma integral. Orgão de Fomento:

Palavras-chave


Adolescentes, Drogas, Educação em saúde

Apontamentos

  • Não há apontamentos.