CONSUMO ALIMENTAR E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE PRATICANTES DE ARTES MARCIAIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Laurem Souza Talhaferro, Lana Carneiro Almeida, Laurem Souza Talhaferro Marques, Letícia Gomes Ferreira, Josiele da Silva Prade

Resumo


Neste estudo, em face da intensiva busca por hábitos de vida saudáveis aliada a prática de atividade física, objetiva-se realizar um relato de experiência referente a uma ação de extensão universitária em que estudantes do curso de Nutrição avaliaram o estado antropométrico e o consumo alimentar de frequentadores de um centro de treinamento (CT) de artes marciais da fronteira oeste do estado do Rio Grande do Sul. Para tanto, este estudo embasou-se em um relato de experiência da atividade de diagnóstico do consumo alimentar e avaliação antropométrica desenvolvida através do Componente Curricular Educação Alimentar e Nutricional, do curso de graduação em Nutrição, da Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA, campus Itaqui/RS. As atividades foram desenvolvidas durante do mês de maio de 2017, com praticantes de artes marciais, de ambos os sexos, com idade ≥ 18 anos. A frequência alimentar foi analisada através do questionário Marcadores de Consumo Alimentar (SISVAN, 2008). A caracterização da amostra foi realizada através de um questionário autoaplicável. Houve a aferição do peso e altura para caracterizar o estado antropométrico da população. Para analisar o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares houve a aferição da circunferência da cintura e do quadril. Foram entregues fichas com todas as medidas aferidas, bem como suas devidas classificações. O público participante das atividades foi composto por 29 praticantes de artes marciais, sendo predominante o sexo masculino (72,4%), com média de idade de 32,6 anos (20 52). Verificou-se que 24,1% da população apresenta risco para desenvolver doenças cardiovasculares (DCV), sendo a CC média de 84,68 ± 20,12 e CQ 98,61 ± 20,22. Quanto a frequência de consumo alimentar, foi observado que a maioria tem um baixo consumo de alimentos fundamentais como frutas, verduras, legumes, leite e feijão e um elevado consumo de alimentos industrializados, como embutidos, bebidas adocicadas e biscoitos salgados. Com este estudo foi possível verificar que a atividade de extensão se mostrou como uma forma excelente de aprendizado prático para os acadêmicos, sendo que os dados levantados possibilitaram traçar o perfil antropométrico e de consumo alimentar dos frequentadores de um CT de artes marciais. A população estudada apresentou alguns comportamentos alimentares que são fatores de risco modificáveis, relacionados ao desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.