ANTECEDENTES EPIDEMIOLÓGICOS DOS USUÁRIOS ATENDIDOS NO CENTRO DE TESTAGEM E ACONSELHAMENTO DO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA/RS

Mariana Balhego Rocha, Raqueli Bittencourt, Alcides José Martins Parisotto, Sandra Elisa Haas, Gabriel Viçozzi, Emanuele Lopes Ambrós

Resumo


Segundo o UNAIDS, no ano de 2015 existiam em média 35 milhões de pessoas vivendo com HIV/Aids no mundo, sendo que 15,8 milhões de pessoas tinham acesso a TARV. Diante deste contexto, a estratégia 90-90-90 foi proposta, como o objetivo de que até o ano de 2020, 90% da população brasileira seja testada para ter conhecimento sobre sua situação sorológica. Tendo como objetivo a meta 90-90-90, o controle e prevenção dessas epidemias tornam-se um contexto relevante no Brasil. Sendo assim este estudo tem como finalidade avaliar os antecedentes epidemiológicos da população que busca por TR no CTA do município de Uruguaiana-RS, para que futuramente possam ser criadas estratégias de melhoria do sistema de saúde. Este estudo segue um modelo transversal, também denominado estudo de prevalência. Foi realizada análise quantitativa dos formulários pré-teste fornecidos pelo Ministério da Saúde, preenchidos nos atendimentos de testagem para Sífilis, HIV/Aids e Hepatites B e C através de TR no CTA do município de Uruguaiana/RS, nos meses de maio e junho do ano de 2017. A procura por TR nos CTAs diminui de forma considerável a possibilidade de estes indivíduos buscarem os hemocentros para realização destes diagnósticos, prática relativamente comum da população. Em nosso estudo, pode-se observar que 94,4% dos entrevistados, não procuraram o banco de sangue para diagnóstico de IST Aantecedentes de ISTs foram relatados por apenas 5,6% das pessoas que responderam o formulário no momento do acolhimento, sem diferença entre homens e mulheres. Das pessoas que relataram algum tipo de infecção sexualmente transmissível, 70% procuraram o serviço da saúde em busca de tratamento, 10% recorreu a farmácias privadas e 20% não se tratou. Uso frequente de drogas nos últimos 12 meses antecedentes ao atendimento foi relatado por 63,1% dos indivíduos. Entre as drogas que compõe o formulário, a mais referida foi o álcool (76,1%). Almeida (2013) relata que em média um quarto da população brasileira consome bebidas alcoólicas demasiadamente, mesmo que seja uma substância lícita e com ampla aceitação social, o consumo de grandes quantidades de álcool é considerando um comportamento de risco. Algumas pessoas (7,9%) afirmaram usar outro tipo de droga que não citada no atendimento, como por exemplo, LSD e Ecstasy. Pessoas que utilizam substâncias psicoativas representam um grupo importante no monitoramento do vírus da imunodeficiência humana (HIV) e outras infecções sexualmente transmissíveis. Os indivíduos que relataram fazer uso de mais um tipo de drogas, combinaram álcool e maconha (5,3%) ou álcool e cocaína (3,6%). O acesso aos Testes Rápidos é um fator importante na prevenção e no controle de ISTs, oferecendo às pessoas o direito de conhecer sua sorologia. Avaliar os antecedentes epidemiológicos destes indivíduos ajuda a buscar novas estratégias tanto de prevenção, quanto de monitoramento para estes tipos de ISTs.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.