RESGATANDO RAÍZES CULTURAIS ATRAVÉS DOS CAUSOS/CONTOS NA FRONTEIRA BRASIL/URUGUAI

Claudia Eloir Rodrigues Sanches, Valesca Brasil Irala

Resumo


Sendo a escola um lugar onde encontram-se diferentes culturas que conformam as mais distintas identidades, viu-se a possibilidade de, a partir de um trabalho de pesquisa com a comunidade local no município fronteiriço de Santana do Livramento (RS/BRASIL), os alunos passem a ser os próprios autores, analisando culturas e identidades existentes na turma, a partir da coleta de dados sobre os contos/causos locais, que contêm histórias singulares, valorizando a aprendizagem significativa, com ênfase na bagagem cultural do aluno e no desenvolvimento da oralidade. Assim, foram utilizados para embasamento do trabalho os Parâmetros Curriculares Nacionais (2000); o conceito de imaginário, de Wunenburger (2007); o de aprendizagem significativa de Ausubel (2011) e os conceitos de cultura e ensino de línguas. A partir de um roteiro de pesquisa elaborado juntamente com os alunos, foi realizada a busca por fatos, reais ou imaginários, contados por membros da comunidade, passados de geração em geração apenas pela oralidade e pertencentes às diferentes culturas locais fronteiriças, já que o município de Santana do Livramento é permeado, tanto na zona urbana quanto rural, pela fronteira seca com o país vizinho, o Uruguai. Com base nos dados obtidos com membros da família, da comunidade da qual fazem parte ou até mesmo vivenciados por eles próprios, os alunos fizeram relatos orais de fatos ocorridos no meio em que vivem e, posteriormente, feito o registro por escrito desses dados. Pode-se perceber que houve interesse e empenho para atingir os objetivos propostos, o que fez com que o trabalho constituísse uma riqueza de informações, que por algumas vezes foram fatos que se repetiram nas diferentes histórias, sobre as culturas e identidades presentes em um mesmo local, capazes de formar um tecido identitário comum. Aspectos das diferentes culturas de um grupo apresentam-se, em sua maioria, de forma oral, porém, com o passar dos anos, a tendência é que acabem caindo no esquecimento e assim, vão-se perdendo informações interessantes para perceber e compreender uma dada realidade, daí a necessidade da busca e dos registros dos fatos, a fim de que se possa resgatar e perpetuar tais informações. A escola não é apenas um lugar onde os alunos vão em busca de conhecimentos, como também de compartilhamento da bagagem que já trazem consigo, permeados de riquezas culturais que formam a identidade do local. Cabe à escola orientar e trabalhar para o resgate e a manutenção dessas diferentes culturas.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.