NANOEMULSÕES CONTENDO ÓLEO ESSENCIAL DE BLEPHAROCALYX SALICIFOLIUS: POTENCIAL ANTIBACTERIANO CONTRA STAPHYLOCOCCUS AUREUS.

José Valdir da Silva Corrêa Junior, Fernanda Bruxel, Cleci Menezes Moreira, Cheila Denise Ottonelli Stopiglia

Resumo


INTRODUÇÃO
A busca por novas substâncias antimicrobianas a partir de fontes naturais, tem ganhado importância nas companhias farmacêuticas em virtude do atual problema de resistência de patógenos humanos a fármacos (DUARTE, 2006). Os óleos essenciais são produtos do metabolismo secundário dos vegetais, que estão sendo utilizados com diferentes finalidades, como propriedades antissépticas e bactericidas, entre outras (BAKKALI et al., 2008). Estratégias tecnológicas visando aperfeiçoar as características físico-químicas dessas substâncias bioativas envolvem a nanotecnologia. Neste contexto, o objetivo desse trabalho foi avaliar a atividade antibacteriana do óleo essencial de murta (Blepharocalyx salicifolius) incorporado em nanoemulsão contra isolados clínicos de Staphylococcus aureus.

METODOLOGIA
As folhas de B. salicifolius foram coletadas na cidade de Passo Fundo/RS e o óleo essencial foi obtido através da extração pelo método de hidrodestilação. As nanoemulsões foram preparadas através do procedimento de emulsificação espontânea e foram compostas pela fase oleosa, além de monooleato de sorbitano, polissorbato 20 e água. Além da formulação contendo o óleo essencial de murta (NE-O), também foi preparada uma formulação controle (NE-C) contendo triglicerídeos de cadeia média como óleo. As formulações foram caracterizadas quanto as suas propriedades físico-químicas.
A atividade antibacteriana foi determinada pelo método de microdiluição em caldo, conforme descrito no suplemento informativo M100-25S do Clinical and Laboratory Standards Institute - CLSI (CLSI, 2015), frente a quatro isolados clínicos de S. aureus. Foram utilizadas diluições seriadas do óleo livre e das nanoemulsões na faixa de concentração de 0,19 - 100 mg/mL, além de cloranfenicol de 0,39 - 200µg/mL.

RESULTADOS e DISCUSSÃO
Os diâmetros médios obtidos para as nanoemulsões permaneceram entre 120nm (NE-O) e 500nm (NE-C), com valores de Span inferiores a 2 conforme esperado. Os valores do potencial zeta apresentaram-se negativos para NE-C (-40mV) e para NE-O (-37mV), sendo a diferença entre as formulações, provavelmente relacionada à composição de cada óleo incorporado. A atividade antibacteriana frente aos diferentes isolados obtida para NE-O (Concentração Inibitória Mínima - CIM 0,19 - 1,56mg/ml) foi relativamente maior que para o óleo livre (CIM 1,56 - 12,5 mg/mL). Isso pode estar relacionado a capacidade da nanoemulsão promover a deposição de um maior número de partículas e maior tempo de contato na superfície da célula microbiana (LBOUTOUNNE et al,. 2002).

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os resultados demonstram que o óleo incorporado à nanoemulsão apresentou melhor atividade antibacteriana em relação ao óleo livre frente aos isolados clínicos de S. aureus avaliados.

REFERÊNCIAS
BAKKALI, F. et al. Biological effects of essential oils a review. Food and Chemical Toxicology. 46: 446-475, 2008.

CLSI. Performance Standards for Antimicrobial Susceptibility Testing: Twenty-Fifth informational supplement. CLSI document M100-25S. Wayne, PA: Clinical an Laboratory Standards Institute; 2015.

DUARTE, M. C. T. Atividade Antimicrobiana de Plantas Medicinais e Aromáticas Utilizadas no Brasil. MultiCiência: construindo a história dos produtos naturais. 2006.

LBOUTOUNNE, H. et al. Sustained ex vivo skin antiseptic activity of chlorhexidine in poly (e-caprolactone) nanocapsule encapsulated form and as a digluconate. Journal of Control Release. v.82, p.319-334, 2002.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.