A LINGUAGEM NA CONSTRUÇÃO DA REPRESENTAÇÃO DE DILMA ROUSSEFF POR DEPUTADOS FEDERAIS

Jéssica Cantele de Freitas, Cristiane Fuzer

Resumo


Em meio a um momento histórico vivido na política brasileira, em que o cargo de um gestor político é posto sob julgamento, uma figura vem sendo colocada em evidência: a Presidente Dilma Rousseff. Partindo disso, o objetivo principal deste trabalho é analisar as representações atribuídas à Presidente a partir das escolhas linguísticas de Deputados Federais que votaram na sessão que decidia a admissibilidade do processo de impeachment contra ela, realizada em 17 de abril de 2016. Para isso, levam-se em conta os pressupostos teóricos da Linguística Sistêmico-Funcional (HALLIDAY; MATTHIESSEN, 2014), principalmente no que concerne ao Sistema de Transitividade, que realiza a metafunção ideacional. O procedimento metodológico consistiu em analisar as representações em orações que se referiam diretamente à Dilma Rousseff, fazendo a distinção entre os votos contra e os votos a favor ao processo de impeachment. Desse modo, o procedimento de análise se desenvolveu em cinco etapas: segmentação dos votos em orações e seleção dos que continham os termos delimitados para análise; classificação dos elementos da oração em participantes, processos e circunstâncias, conforme o Sistema de Transitividade da metafunção ideacional; categorização dos processos presentes e dos participantes desempenhados pela figura da Presidente; seleção dos participantes de maior ocorrência para interpretação dos resultados obtidos; comparação das representações dos Deputados que votaram contra e os que votaram a favor ao processo de impeachment. Identificou-se que as representações para a Presidente diferem de acordo com cada tipo de voto. Votos a favor ao prosseguimento do processo de impeachment fizeram uso predominantemente de orações materiais, evidenciando as atitudes negativas da Presidente em seu exercício de poder, enquanto as orações materiais utilizadas, também de forma predominante, por aqueles que votaram contra a admissibilidade do processo representavam a inocência da Presidente, visto que os Deputados negavam as atitudes pelas quais ela estava sendo acusada; além disso, os que votaram contra também utilizaram orações relacionais de forma significativa, representando aspectos referentes à boa conduta de Dilma. Percebe-se, assim, um enfoque diferente nas representações em cada tipo de voto:de um lado, há acusações de ações negativas, de outro, uma defesa que alega injustiça nas acusações sofridas e argumenta utilizando atributos pessoais positivos de Dilma.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.