COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA SILAGEM DE RAIZ DE MANDIOCA COM ADITIVOS PARA JUVENIS DE Oreochromis niloticus

Gabriela Ceratti Hoch, Deise Dalazen Castagnara, Andressa Tellechea Rodrigues, Fabio de Araújo Pedron, Viviani Correia, Kelli Flores Garcez

Resumo


Na produção aquícola, a alimentação pode representar aproximadamente 70% do custo de produção em pisciculturas. Assim, são necessárias novas alternativas alimentares em pisciculturas, e a mandioca poderia ser uma destas alternativas. A ensilagem é uma tecnologia barata e acessível para conservação de alimentos. A espécie utilizada no referido estudo é a tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus), uma das espécies de água doce mais cultivadas comercialmente na aquicultura e apresenta rápida taxa de crescimento. Essa espécie utiliza carboidratos de forma muito eficiente, assim como proteína de origem vegetal, torna-se potencial para cultivo em diversas regiões e adaptável à diferentes sistemas alimentares. Objetivou-se com este trabalho avaliar a composição nutricional da silagem de raiz de mandioca e de mandioca com aditivos (arroz, milho e soja) para a posterior inclusão na alimentação de juvenis. Adotou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado com quatro tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos estudados consistiram da mandioca triturada in natura (Mandioca) ou adicionada de farelo de arroz (M+Arroz), soja (M+soja) e milho (M+milho). Decorridos o período estipulado para a fermentação (45 dias), os silos foram abertos e desensilados. Posterior a abertura dos silos, foram coletadas amostras para o estudo da composição bromatológica, obtendo-se os conteúdos de teores de umidade, proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), fibra bruta (FB), matéria mineral (MM), extrato não-nitrogenado (ENN) e energia bruta (EB). Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias foram comparadas por meio do teste Tukey (p<0,05). A composição nutricional diferiu entre os tratamentos em todos os parâmetros químicos estudados. Os valores referentes a FB nos tratamentos de mandioca e M+Soja foram semelhantes ao mensurado em outros estudos sobre a raiz de mandioca; o valor do EE foi inferior em todos os tratamentos aos encontrados na literatura de 1,42% com exceção da M+Arroz, devido ao elevado teor de EE presente no farelo de arroz não desengordurado. A M+Milho apresentou valor superior de ENN entre os tratamentos, devido ao conteúdo de carboidratos (amido) presentes no farelo de milho. A M+Arroz obteve maior teor de EB entre os tratamentos, devido ao seu teor de EE, importante fonte de energia. A silagem obtida com a raiz de mandioca in natura apresentou elevado teor de energia (apesar e inferior aos demais tratamentos), pois a mandioca é conhecida por conter alto teor de carboidratos não estruturais na sua composição, o que lhe confere o potencial energético aqui encontrado, especialmente para tilápias que utilizam de forma mais eficiente que peixes carnívoros os carboidratos presentes na dieta. A PB contida na M+Soja foi superior aos demais tratamentos, em virtude do teor proteico do farelo de soja, enquanto que a Mandioca apresentou baixo conteúdo proteico. A tilápia do Nilo possui potencial para assimilação de aminoácidos presentes em proteínas de origem vegetal, que pode substituir parcialmente a proteína animal em rações, as silagens obtidas destacam-se como potenciais para uso na alimentação desta espécie. Todas as silagens estudadas apresentam potencial para substituir ingredientes energéticos utilizados na alimentação da tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus).

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.