Profundidade de semeadura e uso de fosfito na emergência de plântulas de Brachiaria decumbens Stapf. Prain

Karina Guollo, Jean Carlo Possenti, Renata Diane Menegatti, Pamela Letícia Tartas

Resumo


O uso de indutores de resistência à ação de patógenos, como o acibenzolar-S-methyl (ASM), vem sendo empregado de forma preventiva em sementes de diversas culturas agrícolas, com a finalidade de eliminar e/ou reduzir a disseminação de patógenos prejudiciais ao desempenho fisiológico das sementes. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do tratamento de sementes com Bion® e a profundidade de semeadura na emergência de plântulas de Brachiaria decumbens. Para isso foram utilizadas quatro repetições de 25 sementes em delineamento inteiramente casualizado, adotando-se um esquema bifatorial sendo o fator 1 a profundidade de semeadura (1, 2, 3, 4 e 5 cm ) e o fator 2 aplicação de ASM.  O tratamento das sementes foi realizado a com imersão em solução de ASM por 5 minutos nas concentrações de 10,0 g.i.a./100L e a testemunha (água destilada). Logo após as sementes foram semeadas em bandejas de plástico contendo o substrato comercial, e mantidas por 21 dias em B.O.D. com controle de temperatura (20/35°C) e luminosidade (fotoperíodo de 12horas). As variáveis respostas obtidas foram: porcentagem de sementes emergidas e o índice de velocidade de emergência. Diferenças significativas foram observadas apenas para a porcentagem de sementes emergidas nas diferentes profundidades de semeadura, sendo o maior percentual de emergência das plântulas alcançado para a profundidade de 1 cm onde alcançou 64% de emergência. O tratamento das sementes com ASM não influencia diretamente no desempenho germinativo das sementes.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.