A IMPORTÂNCIA DA ORALIDADE NA DIFUSÃO DO CRISTIANISMO PRIMITIVO: UMA ANÁLISE SEGUNDO O LIVRO ATO DOS APÓSTOLOS E AS EPÍSTOLAS PAULINAS

Débora Faccin

Resumo


Mesmo com a introdução da escrita no século VII a.C na Grécia, a tradição oral continuou sendo um dos principais instrumentos de manutenção da cultura politeísta. Assim como a oralidade foi essencial para que os poemas épicos tomassem parte da formação do imaginário religioso grego, ela também foi pilar da construção e da disseminação da tradição cristã na comunidade romana do século I que, em sua maioria, era iletrada. A pregação de Jesus e a continuidade do seu movimento após a sua morte se deram, predominantemente, de forma oral, inclusive depois da escrita dos Evangelhos, devido às características tanto de cunho íntimo quanto público que a oralidade permite. Desta forma, a pretensão desse trabalho é evidenciar a importância da transmissão oral da ideologia cristã nas comunidades romanas do primeiro século, bem como sua influência e utilização como instrumento do processo de cristianização das mesmas, através de uma análise contextualizada e crítica das passagens do livro do Ato dos Apóstolos e das Epístolas Paulinas no Novo Testamento.

Referências


Fontes documentais

Bíblia Sagrada. Tradução de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin. São Paulo: Paulus, 1990.

Fontes bibliográficas

ALONSO, Leandro Seawright. Jesus Narrativo: oralidade cristã entre história, memória e mítica. PLURA, vol. 3, nº 1, 2012.

ANDRADE, Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira. Linguística e História: Oralidade e escrita no discurso religioso medieval. In ANDRADE Filho, Ruy de Oliveira (org.) Relações de poder, educação e cultura na Antiguidade e Idade Média. São Paulo: Solis, 2005, p. 47-55.

BOTELHO, José Mário. Oralidade e escrita, e o letramento em sociedades de oralidade secundária. CNLF, Vol. XIV, Nº 4, t. 4

CATROGA, Fernando. Memória, História e Historiografia. Coimbra: Quarteto, 2001.

CATROGA, Fernando. Memória, História e Fronteira. in: I Congresso Internacional de História da UFSM. Santa Maria: 2016.

CAVALCANTI. Juliana B. Autoridades justificadas por Deus: uma breve análise entre projetos de Reino de Deus no processo de institucionalização dos cristianismos paulinos de Corinto e de Éfeso no século I EC. ANPUH-RIO, agosto de 2014.

CROSSAN, John Dominic. O nascimento do cristianismo. Tradução de Barbara Theoto Lambert. São Paulo: Paulinas, 2004.

FARIA, Lair Amaro dos Santos. Tradições orais e performances comparadas nos Evangelhos de Marcos e Q. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

___________. Da legitimidade de um cristianismo plural. RJHR, IX: 16, UFRJ, 2016.

___________. “Quem vos ouve, ouve a mim”: Tradições orais na transição do Jesus Histórico ao cristianismo mais primitivo. RJHR 2:1, 2011.

GALEANO, Eduardo. Espelhos. Tradução de Eric Napomuceno. Porto Alegre: L&PM editores, 2015.

HAVELOCK, Eric. A equação oralidade – cultura escrita: uma fórmula para a mente moderna. In: OLSON, David R.; TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática, 1995. p.17-34

ONG, Walter J. Oralidad y Escritura: Las Tecnologias de la palabra. Traducción de Angélica Scherp. México: Fondo de Cultura Economica, 1987.

PAGANOTTO, Diones Rafael. A dimensão escatológica na missão de Paulo:

uma leitura da primeira carta aos tessalonicenses à luz da teologia da missão. Revista Contemplação, 2014.

SALVADOR, Evandro Luis. Revisitando a tese do letramento: História e contrapontos. UNESP, 2014.

SANTOS, João Batista Ribeiro. Jesus de Nazaré e suas milícias: a oralidade da preleção nas “bem-aventuranças” na historiografia canônica de uma comunidade primitiva. São Paulo: PUC, 2008.

SANTOS, Sandra Ferreira dos. Oralidade e religião: Estudo comparado entre a religião da Grécia Antiga e o cristianismo. ANPUH, Ano III, n. 8, Set. 2010.

SCHIAVO, Luigi. A busca pelas palavras e atos de Jesus: O Jesus Seminar. Goiânia: Caminhos, v.7, n.1. 2009.

VASCONCELLOS, Pedro Lima. Quem tiver ouvidos ouça: vozes e escritas no contexto do cristianismo primitivo. São Paulo: Proj. História, jun. 2003.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: A literatura Medieval. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.


Texto completo: faccin

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Editor-gerente: Prof. Dr. Rafael da Costa Campos (Unipampa)

Editores: Prof. Dr. Dominique Vieira Coelho dos Santos (FURB); Profa. Dra. Lyvia Vasconcelos Baptista (UFRN); Profa. Dra. Semíramis Corsi Silva (UFSM)

Submissão: fluxo contínuo

Endereços importantes:

Grupo de Trabalho de História Antiga (Regional Rio Grande do Sul) da Associação Nacional de Professores Universitários de História: http://gthars.wordpress.com/

Grupo de Trabalho de História Antiga da Associação Nacional de Professores Universitários de História: http://www.gtantiga.com/

Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos: http://www.classica.org.br/

Associação Brasileira de Estudos Medievais: http://www.abrem.org.br/