Ordo senatorius et ordo equester: a fusão das ordens superiores romanas e o apoio ao Sistema do Principado

Alex Aparecido da Costa, Renata Lopes Biazotto Venturini

Resumo


Nos primeiros séculos do período imperial o sistema político romano denominado Principado convivia com reminiscências do período republicano, além disso, Augusto, fundador do novo regime havia se apresentado como restaurador da República. Tratava-se, portanto de um momento de ambigüidade, já que a centralização autocrática do príncipe contrastava com as diretrizes do regime anterior, pautado pela divisão do poder por meio do exercício das magistraturas, cargos políticos colegiados com mandatos anuais. A ordem senatorial, que desempenhara aquelas funções, manteve durante o Principado importante posição devido à sua riqueza e passado tradicional, apesar do relativo esvaziamento de seu papel político decisório. Em razão disso, esse grupo social, juntamente com a ordem equestre, continuou a cumprir um papel institucional importante. Este artigo procura destacar aspectos da reacomodação desses grupos dentro das exigências da nova realidade política, apontando seus papéis na manutenção do sistema do Principado.

Referências


I – Fontes

PLINE LE JEUNE. Lettres: Livre X et Panégyrique de Trajan. Texte établi et traduit par Marcel Durry. 5 ed. Paris: Les Belles Lettres, 2002, p. 200.

PLINIO EL JOVEN. Cartas. Introducción, traducción y notas de Julián González Fernández. Madrid: Editorial Gredos, 2005, p. 598.

II - Bibliografia

ALFÖLDY, Géza. História social de Roma. 1 ed. Lisboa: Presença, 1989, p. 264.

__________. The social history of Rome. Translated by David Braund. 1 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1988, p. 264.

BRETONE, Mario. História do direito romano.Tradução de Isabel Teresa Santos. 1 ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1990, p. 381.

FINLEY, Moses. Política no mundo antigo. Tradução do gabinete editorial de Edições 70. 1 ed. Lisboa: Edições 70, 1997, p. 176.

MENDES, Norma Musco. O sistema político do Principado. In: MENDES, Norma Musco; SILVA, Gilvan Ventura. (org.). Repensando o império romano: perspectiva socioeconômica, política e cultural. 1 ed. Rio de Janeiro/Vitória: Mauad/EDUFES, 2006, p. 21-51

ROUGÉ, Jean. Les instituitions romaines. 1 ed. Paris: Armand Colin, 1969, p. 320.

ROULAND, Norbert. Roma, democracia impossível?: os agentes do poder na Urbs romana. Tradução de Ivo Martinazzo. 1 ed. Brasília: UNB, 1997, p. 478.

VEYNE, Paul. O império romano. In: VEYNE, Paul (org.). História da vida privada: do Império Romano ao ano mil. Tradução de Hildegard Feist. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 19-223.


Texto completo: Costa costa.PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Editor-gerente: Prof. Dr. Rafael da Costa Campos (Unipampa)

Editores: Prof. Dr. Dominique Vieira Coelho dos Santos (FURB); Profa. Dra. Lyvia Vasconcelos Baptista (UFRN); Profa. Dra. Semíramis Corsi Silva (UFSM)

Submissão: fluxo contínuo

Endereços importantes:

Grupo de Trabalho de História Antiga (Regional Rio Grande do Sul) da Associação Nacional de Professores Universitários de História: http://gthars.wordpress.com/

Grupo de Trabalho de História Antiga da Associação Nacional de Professores Universitários de História: http://www.gtantiga.com/

Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos: http://www.classica.org.br/

Associação Brasileira de Estudos Medievais: http://www.abrem.org.br/